Sexualidade e qualidade de vida

Você pode não acreditar, mas as dificuldades sexuais, em especial, as dificuldades de ereção (DE), são mais comuns do que se imagina. E, quando a vida sexual não vai bem muitas coisas em nossas vidas alteram também. Você sabia que apresentar dificuldades que impeçam de viver a vida sexual com plenitude pode afetar a auto-estima e a auto-imagem, enfraquecer as bases das relações íntimas e causar declínio na saúde de modo geral?

Pois então! A pessoa que está passando por estas dificuldades parece que se comporta como aqueles desenhos que vemos na televisão: com uma “nuvenzinha preta” sobre a cabeça, que persegue aonde se vá. A vida parece perder um pouco do brilho, a vontade para estar com amigos diminui, assim como a vontade de se cuidar, de se arrumar. A produtividade no trabalho cai e o sentimento de menos valia perante os outros, passa ser freqüente. Isso sem contar a dificuldade em falar com a parceira a respeito do assunto. Procurar um médico, nem pensar!

Melhorar a vida sexual consiste no que hoje consideramos o ideal para a qualidade vida. Ela estando em dia, todo o restante estará, pois através do sexo também podemos buscar nossa felicidade. O sexo deve ser visto como fonte de prazer e não de problemas. Diversos estudos já mostraram que uma vida sexual boa pode reduzir a depressão, melhorar a vida conjugal e a parceria, o bem-estar, os contatos sociais, lazer e trabalho, o auto-controle e a saúde mental, estimula o dar e receber amor, sustenta a auto-estima.

Hoje em dia só fica com dificuldades de ereção quem quer, pois há tratamentos eficazes para ela. E, a medicação oral consiste no que há de melhor e mais avançado para o problema. Por isso, ao procurar seu médico, converse com ele sobre a medicação oral que poderá trazer a você mais rigidez, maior satisfação sexual e, conseqüentemente, melhor qualidade de vida. Escolha aquela que fica pouco tempo na circulação sanguínea, que não tem efeitos colaterais e que dá tempo, tanto a você quanto a sua parceira, de se prepararem para a relação sexual. Não adianta nada você estar pronto rapidamente e ela ainda não. Há medicamentos que compartilham dessa idéia. Não se esqueça disso ao escolher a medicação oral.

Dessa forma o casal poderá desfrutar de uma excelente qualidade de vida!

Carla Cecarello
Psicóloga e Sexóloga
CRP-06/35.812-0

www.carlacecarello.com.br

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print

Deixe um comentário

Categorias