Quais as lesões mais comuns no Basquete? Como foram tratadas?

Autores: Dr. Carlos Andreoli, Dr Fabiano Cunha, Dr. Carlos Eduardo Marques, Dr. Benno Ejnisman, Dr. Moisés Cohen

Estamos em plena temporada 2013-2014, NBA, NBB, Campeonatos Europeus e várias notícias sobre lesões musculoesqueléticas no basquete estão sendo divulgadas. As equipes acabam perdendo atletas fundamentais, tais como Rose, Bryant, Leandrinho, Anderson, Greg Oden, e tantos outros, por períodos variados. Atualmente com o avanço no tratamento ortopédico, cirúrgico ou não, o retorno dos atletas à plena prática do basquete ocorre na maioria dos casos.

Greg Oden

Revisamos de 1999-2013 todas as cirurgias ortopédicas realizadas em atletas de basquete até 40 anos, atendidos no CETE – Centro de Traumato-Ortopedia do Esporte –UNIFESP, Seleção Brasileira (2003-2010) e clínica privada. O estudo retrospectivo identificou 78 cirurgias, sendo que 78% sexo masculino e 22% sexo feminino, tempo médio de prática de 11 anos, 68% membro dominante. A idade média das lesões cirúrgicas foi de 20,5 anos (14-39 anos). Tempo médio de retorno ao esporte 4,5 meses ( 1- 8 meses).

Quanto à posição do atleta, as posições mais afetadas em ordem decrescente foram: posição 2(24%),  posição 5(24%), posição 4 (20%), posição 3 (18%) e posição 1 (16%).  Lesões sem contato (58%) e lesões traumáticas (42%) dos casos. A literatura demonstra que as lesões traumáticas agudas são comuns na articulação do tornozelo, seguida da mão e do joelho e nas lesões por sobrecarga, atraumáticas, afetam principalmente joelho e coluna.

O procedimento cirúrgico na articulação do joelho foi a mais realizada (40%), sendo 60% reconstrução do ligamento cruzado anterior joelho, seguida da lesão meniscal 30% e da tendinite patelar com 10%,as principais afecções operadas. A segunda articul4 ção mais operada foi a articulação do tornozelo e pé (25%), sendo as afecções mais submetidas a cirurgia:s: a  lesão ligamentar do tornozelo(45%), seguida da fratura do 5º metatarso (25%) e lesão do tendão do tendão de Aquiles (25%).

A articulação do joelho apresenta maior morbidade ( maior período de afastamento e casos cirúrgicos), principalmente na lesão do cruzado anterior, sem contato. Atualmente duas técnicas são utilizadas para reconstrução do ligamento com enxerto do tendão patelar ou do semitendíneo e grácil, com resultados semelhantes.  O retorno ao esporte devido à lesão do LCA ocorreu em torno de 6 meses.

Principais procedimentos cirúrgicos:
1-    Lesão do Ligamento cruzado anterior : 80% das lesões sem contato: Cirurgia mais comum nas atletas do sexo feminino.
2-    Fratura do 5º metatarso pé: fixação com um parafuso: retorno em 4 meses. Cirurgia evolui melhor que tratamento conservador.
3-    Lesão ligamentar do tornozelo: principalmente atletas posição 4 e 5, com lesões de repetição.
4-    Luxação de Ombro: mecanismo traumático: 75% nas luxações de repetição.
5-    Hérnia Discal Lombar: atletas da posição 1 e 5. Ressecção da hérnia.
6-    Fratura de punho e metacarpo:  posição 1 e 2, choque contra oponente.
7-    A lesão tendão de Aquiles ocorre principalmente, em atletas com dor prévia e na 3ª década de idade.

Apesar de ser a lesão mais comum, o entorse de tornozelo, 94% evoluem bem sem cirurgia, com tratamento conservador, nas lesões repetitivas, o melhor é o procedimento cirúrgico.Nos membros superiores as lesões no ombro, luxação glenoumeral e luxação acrômio-clavicular são as mais comuns, no punho e mão , a cirurgia para as fraturas dos metacarpos são as mais realizadas.

Como podemos transformar estes dados para tentar evitar as lesões no basquete ?
1-    O incremento da preparação física, com periodização seguida exaustivamente.
Ênfase no condicionamento físico.
2-    Exercícios de prevenção, propriocepção e fortalecimento muscular,  principalmente glúteos e membros inferiores. Nas mulheres é imprescindível, a maioria das lesões no joelho ocorre sem contato, atraumática.
3-    Treinos com pausas para hidratação e programação definida.
4-    Ajuste do calendário (Bom Senso B.C.) e rodízio dos jogadores.
5-    Fatores externos também podem influenciar: quadras inadequadas e escorregadias, tênis inadequados e ausência da proteção de tornozelo, principalmente em atletas com lesão prévia.

O estudo demonstrou que os atletas com lesões ortopédicas submetidos à cirurgia conseguem retomar a carreira. Muitos destes atletas jogaram e permanecem jogando até hoje: Adair, Alex Garcia, Devidisson, Diogo, Fúlvio, Karen, Luana, Lucas Cipolini, Lucas Costa, Lucas Tishcer, Marcel, Nádia, Rafael Baby, Renato Lamas, Pedro, Paulo, Tamara, Tiago, Waltão.

Autores: Carlos Vicente Andreoli, Fabiano Cunha, Carlos Eduardo Marques, Benno Ejnisman, Moisés Cohen

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print

Deixe um comentário

Categorias