Orientações para prótese no quadril

1. INTRODUÇÃO – Prótese de Quadril

 A prótese de quadril é uma das cirurgias mais  bem sucedidas de toda a medicina moderna.

 Os  melhores  resultados  cirúrgicos  não  dependem apenas de nós cirurgiões, mas também da  sua motivação, entendimento e colaboração.  Sabemos  que  as  informações  que  lhe  passamos em consultório ou mesmo nas visitas após  o  procedimento  cirúrgico  ventualmente  acabam  se  perdendo haja visto que você está passando por uma  situação  potencialmente  estressante  e  desconhecida  em  sua  vida.  Este  estresse  emocional  dificulta  por  vezes a perfeita absorção das recomendações médicas e fisioterápicas. Este cenário pode gerar ansiedade e temores  a  respeito  de  como   comportar-se  com  seu  “novo quadril”. Várias dúvidas também irão surgir no  seu  retorno  ao  lar  quando  você  irá  gradualmente  voltar a enfrentar as tarefas do seu dia- a-dia. 

 Este  manual  foi  concebido  para  você.  Seu  objetivo  principal  é  auxiliá-lo  nos  cuidados  iniciais após  a  cirurgia  para  colocação  de  uma  prótese  de  quadril.

 Leia  com  atenção  e  releia  sempre  que  tiver  dúvidas.  Não  hesite  em  levá-las  ao  seu  cirurgião  e  equipe de apoio.

 Espero que este manual seja útil e desejo-lhe   uma ótima recuperação!

2. O QUE É A PRÓTESE DE QUADRIL?

 Entendemos  por  “prótese  de  quadril”  (ou artroplastia  de  quadril)  a  cirurgia  realizada  com  o intuito  de  substituir  a  articulação  do quadril (coxofemoral).

 Basicamente,  uma  prótese  total  clássica  de quadril constitui-se de um componente femoral (A) , um componente  acetabular  (na  bacia)-B-  e  uma  cabeça esférica (C),  mas  existem  vários  tipos  diferentes  de próteses em relação a tamanhos, modelos, conceitos, meios de fixação ao osso, superfícies de contato, etc.

Os  principais  cuidados  agora,  após  sua cirurgia,  visam  evitar  principalmente  a  luxação (desencaixe) da prótese, enquanto a ferida cirúrgica e as  camadas  profundas  cicatrizam,  e  também  o impacto entre seus componentes que poderia causar um  desgaste  mecânico  mais  precoce  do  que  o planejado,  além  de  outras  complicações  que  serão abordadas adiante.

3. PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO

 Logo após o término da sua cirurgia você será encaminhado ao setor de recuperação pós-anestésica, ainda  dentro  do  centro  cirúrgico.  Tão  logo  você  se sinta  melhor,  será  levado  ao  seu  quarto  (ou  à  UTI caso seja necessário).  Neste  ponto  é  comum  sentir-se  sonolento  e enjoado  devido  aos  sedativos  usados  durante  a anestesia.  Você  ainda  ficará  com  as  pernas amortecidas por algumas horas.  Em  alguns  casos  (dependendo  das preferências do seu cirurgião, do seu anestesista e dos protocolos  do  hospital  no  qual  sua  cirurgia  foi realizada)  você  poderá  estar  usando  além  do  acesso venoso  ainda:  sonda  vesical  (bolsa  de  urina), cateter para  analgesia,  dreno  de  sucção  junto  ao  curativo cirúrgico,  órteses  de  abdução  (“almofada”  entre  as pernas)  ou  até  compressão  pneumática  intermitente (“meias” com bomba de ar). Isto tudo fará com que Prótese de Quadril – cuidados após sua cirurgia sua  mobilidade  esteja  restrita  imediatamente  após  a cirurgia.

 Siga todas as recomendações que a equipe de apoio lhe passar e chame a enfermagem para auxiliá-lo  com  necessidades  fisiológicas  ou  mudança  de posição na cama. Nunca tente se levantar sozinho ou sair da cama!

 Alimente-se  de  acordo  com  a  orientação  do seu  médico,  beba  líquidos  se  permitido  e principalmente, descanse.  Após  a  autorização  do  seu  cirurgião  você iniciará seu tratamento com a equipe de fisioterapia, isso  ocorrerá  mais  tarde  no  dia  da  cirurgia  ou  mais comumente no dia seguinte da cirurgia, quando você estiver  bem  recuperado  da  anestesia  e  após  serem removidos o dreno, a sonda, trocado o curativo, etc.

4.  RECOMENDAÇÕES  E  CUIDADOS  COM POSIÇÕES E MOVIMENTOS

 Nas  próximas  páginas  veremos  o  modelo abaixo  representar  as  diversas  situações  pelas  quais você  poderá  passar  no  período  pós-operatório. Consideraremos que ele foi submetido a uma prótese de  quadril.  As  figuras representam  situações  CERTAS  e  ERRADAS

  1. DEITADO DE COSTAS:

ERRADO!– nunca cruze a perna operada, isso pode causar uma luxação da prótese (“desencaixar”).

CERTO!– mantenha um travesseiro ou almofada entre as pernas, de modo a mantê-las abertas.

  • DEITADO DE LADO: Você pode e deve mudar de posição na cama, mas tenha cuidado, peça auxílio no início. Evite deitar sobre a cicatriz nos primeiros dias.

ERRADO! – NÃO cruzar a perna operada, podendo também luxar sua prótese!

CERTO!– Mantenha um travesseiro entre suas pernas, a posição torna-se mais segura.

5. EXERCÍCIOS QUE VOCÊ PODE FAZER

DEITADO:

 Bomba  de  panturrilha:  previne  a  trombose, estimula  a  circulação  sangüínea  e  a  diminuição  do inchaço  dos  membros  inferiores.  Flexione  os tornozelos  para  cima  e  para  baixo,  mantendo  pelo menos cinco segundos em cada posição.

COXAS E GLÚTEOS:

 Alterne os exercícios abaixo:

 Contraia os músculos da frente e de trás das coxas,  como  se  estivesse  empurrando  a  maca  para baixo  com  seus  joelhos,  mantenha  por  cinco segundos.  Com  a  contração  dos  glúteos,  tente  elevar  a bacia da maca.

6. SAINDO DO LEITO:

 Lembre-se,  você  nunca  deve  tomar  a iniciativa de sair sozinho do leito no primeiro dia de cirurgia!  Aguarde  a  equipe  de  fisioterapia  ou enfermagem para auxiliá-lo. Antes de levantar sentese por alguns minutos na cama, pois é comum sentir tontura.

CERTO: alinhe as pernas em paralelo e rode a bacia como  um  conjunto.  O  fisioterapeuta  lhe  ensinará como  fazê-lo.  Ponha  primeiro  a  perna  não  operada no chão. Para voltar, faça o oposto.

AUXILIARES  DE  MARCHA:  seu  cirurgião  lhe orientará qual auxiliar de marcha você usará e quando iniciará a usá-lo.

MULETAS:  indivíduos  mais  jovens  iniciam  sua reabilitação de marcha com muletas em alguns casos. Observe no desenho o que chamamos de marcha de três  pontos:  avance  e  apóie  a  perna  operada simultaneamente  com  suas  muletas.  A  almofadaaxilar  deve  ficar  logo  abaixo  da  prega  da  axila  e  os apoios de mão na altura do seu quadril.

BENGALA: talvez seja usada bem mais tarde, após os ciclos iniciais de fisioterapia, pois concentra  mais peso  no  quadril  do  que  os  outros  auxiliares  de marcha.  Use  como  na  figura  abaixo  –  no  lado CONTRÁRIO  à  cirurgia,  avançando  junto  com  a perna  operada  (marcha  de  dois  pontos).  Deve  ter  a altura do seu quadril ao solo.

ANDADOR:  é  a  base  mais  estável  para  iniciar  sua deambulação,  costuma  ser  a  mais  usada  nos primeiros dias após sua cirurgia.

ERRADO!- Não se apóie em demasia no andador.

CERTO!– Ande “dentro” do andador, dê pequenos passos, sempre com segurança.

7. COMO SENTAR-SE E LEVANTAR-SE DE UMA POLTRONA?

ERRADO! – Nunca cruze a perna operada!

ERRADO!– não dobre demais o quadril! Isto pode causar uma luxação de sua prótese!

CERTO! –  Escorregue  até  a  beirada  da  poltrona  e mantenha  o  quadril  operado  bem esticado,  use  seus braços para levantar-se, peça auxílio se necessário.

ERRADO! – Nunca sente em bancos muito baixos, isto causa uma flexão exagerada do quadril! Lembrese,  isto  se  aplica  também  a  sua  cama  e  ao  vaso sanitário,  existem  adaptadores  para  elevar  o  assento do vaso doméstico.

CERTO! –  Dê  preferência  para  cadeiras  firmes  e altas,  quando  possível  com  encosto  reto  e  braços para auxiliá-lo a levantar-se.

8. EXERCÍCIOS PARA FAZER EM PÉ:

 Apóie-se em algum objeto estável. Faça pelo menos  três  vezes  ao  dia,  três  repetições  de  cada exercício. Observe as figuras: Este exercício ajuda a fortalecer seus músculos glúteos, que são um dos principais estabilizadores da sua prótese e da sua marcha.

 Partindo da posição inicial em pé, movimente sua  perna  para  frente  e  mantenha  por  cinco segundos, retorne à posição inicial.

 Movimente sua perna para o lado, mantenha por cinco segundos e retorne à posição inicial.

 Movimente  sua  perna  para  trás,  mantenha cinco segundos e retorne à posição inicial.

CAMINHANDO:

ERRADO!– Nunca rode seu pé para dentro!

CERTO!– Mantenha seus pés ligeiramente rodados para fora.

COMO APANHAR UM OBJETO DO CHÃO:

ERRADO!– Não dobre demais seu quadril!

CERTO! –  Mantenha  o  lado  operado  estendido, dobre o outro quadril.

9. COMO  CALÇAR  MEIAS  E  SAPATOS: 

Peça auxílio  nos  primeiros  dias.  Existem  também  alguns modelos de “pinças” que estão disponíveis em casas de  artigos  médicos  que  podem  lhe  dar  um  grande auxílio.

ERRADO : cruzar a perna

CERTO!– Calce “por trás”, mantenha-se apoiado e dê preferência por sapatos sem cadarço.

CUIDADO AO VIRAR-SE!

ERRADO! –  Nunca  torça  seu  corpo  sobre  o  lado operado fixo ao chão!

CERTO!– Vire-se em bloco.

10. COMO ENTRAR E SAIR DO CARRO?

 Em  algumas  semanas  você  poderá  ser autorizado a voltar a dirigir. Você não deverá dirigir

enquanto não se sentir seguro e ágil o suficiente em relação ao seu quadril operado.

 Para entrar no carro sente-se primeiro com as duas pernas para fora e depois rode para dentro em bloco,  da  mesma  maneira  que  você  foi  ensinado  a sair e voltar para a cama. Se possuir regulagem, deixe o banco o mais alto possível e o encosto reto. Para sair,  faça  o  oposto,  tomando  cuidado  para  não flexionar demais seu quadril.  Se possível, dê preferência para veículos com bom  ângulo  de  abertura  das  portas  dianteiras  e bancos firmes e altos.

11.SUBINDO E DESCENDO ESCADAS

 O ato de subir escadas é um dos movimentos que  exerce  maior  carga  mecânica  em  sua  prótese. Tenha cuidado principalmente nos primeiros meses.

Use  sempre  o  corrimão  e  movimente-se  com cuidado, peça ajuda se necessário.

 AO  SUBIR:  Suba  degrau  por  degrau, iniciando com a perna não operada.

 AO  DESCER:  Faça  o  contrário! Apóie primeiro  a  perna  operada,  e  desça  degrau  por  degrau.

12. CUIDADOS COM A FERIDA CIRÚRGICA E PREVENÇÃO DE INFECÇÃO

 Geralmente permitimos banho de chuveiro a partir do segundo dia de cirurgia, desde que a ferida

apresente-se  com  boa  evolução.  Não  se  recomenda banho de imersão (banheira ou piscina) até a retirada

dos pontos.  O curativo pode ser realizado após o banho e deve ser mantido sempre seco e trocado pelo menos uma  vez  ao  dia.  Sempre  o  manipule  com  luvas  de proteção, os enfermeiros lhe explicarão como fazê-lo de  modo  simples.  Pode  haver  hematomas  ao  redor da  ferida  e  algum  grau  de  inchaço  ou  vermelhidão local nos primeiros dias. Pode haver drenagem mais prolongada  pelo  orifício  deixado  pelo  dreno  de sucção na pele.

 Sempre  relate  ao  seu  médico  qualquer anormalidade  local,  febre,  secreções,  etc.  Mesmo anos após sua cirurgia podem acontecer infecções na sua prótese.

 IMPORTANTE!

 Nunca menospreze infecções menores como unha encravada, micoses nos pés, infecções urinárias,

dentárias,  etc.  Procure  imediatamente  um  serviço médico,  pois  estas  situações  que  usualmente  não

envolvem  maior  gravidade  podem  iniciar  uma infecção  articular  (porque  as  bactérias  podem  viajar

pela corrente sangüínea e alojar-se prótese).  Sempre  que  você  submeter-se  a procedimentos  dentários  ou  exames  médicos invasivos  que  envolvam  o  uso  de  sondas,  avise  seu médico  e/ou  odontólogo  que  você  é  portador  de uma  prótese  articular.  Em  alguns  casos  se  faz necessária uma dose profilática de antibiótico.

13. PREVENÇÃO DE TROMBOSE E EMBOLIA

 Trombose  é  a  formação  de  coágulos  dentro dos  vasos  sangüíneos  e  a  embolia  ocorre  quando

estes  coágulos  (trombos)  se  soltam  e  obstruem  o fluxo sangüíneo.  Tomamos  várias  medidas  para  diminuir  o risco  de  ocorrência  destas  complicações,  de  acordo com seu risco pessoal para trombose. Normalmente usamos o que chamamos de “profilaxia combinada”, ou seja, uma mistura de métodos medicamentosos e mecânicos para a prevenção.  Hoje  existem  várias  opções  para  prevenção

medicamentosa,  ela  deverá  ser  discutida  com  seu cirurgião. Em nossa prática utilizamos medicações via

oral por cerca de seis semanas após a cirurgia.  A  prevenção  mecânica  pode  ser  usada também  logo  após  sua  cirurgia  (com  a  bomba pneumática ou meias de compressão), mas nada mais é  do  que  “movimento”.  A  maioria  dos  pacientes inicia  a  fisioterapia  no  dia  seguinte  da  cirurgia  e  ela não  deve  acabar  após  sua  alta  do  hospital!  Na verdade,  você  está  apenas  no  início  da  sua recuperação.

 Em  sua  casa,  procure  fazer  todos  os exercícios  ensinados  pela  equipe  de  fisioterapia  e caminhe pequenas distâncias pelo menos cinco vezes ao dia.

14. DÚVIDAS MAIS FREQÜENTES

Quanto tempo ficarei internado?

 Normalmente  entre  dois  e  quatro  dias  após sua cirurgia.

– Quantos dias ficarei de cama?

 A maioria dos pacientes recomeça a andar no dia seguinte da cirurgia.

– Quando voltarei ao trabalho?

Trabalhos  de  escritório  normalmente  podem ser  retomados  em  cerca  de  um  mês.  Trabalhos  que

envolvem  maior  movimentação  usualmente requerem  uma  recuperação  mais  longa  de  cerca  de

dois a três meses.

– Posso fazer esportes ou academia?

Geralmente não recomendamos esportes que envolvam  impactos,  como  futebol  e  corridas.  Você

deve ter em mente que seu novo quadril desgasta-se como se fosse um rolamento, por exemplo. Quanto

mais você usá-lo, mais cedo irá gastá-lo… Sugerimosatividades  de  baixo  impacto  como  caminhadas,

ciclismo, golf,  natação  ou  hidroginástica.

– E relações sexuais?

A  maioria  dos  pacientes  tem  vergonha  de perguntar  sobre  este  assunto  abertamente  ao  seu

cirurgião.  Não  há  contra-indicação,  porém normalmente  você  se  sentirá  mais  confortável  para

retornar  a  ter  relações  sexuais  a  partir  do  primeiro mês  após  a  cirurgia.  Lembre-se  dos  principais

cuidados em não deslocar a prótese, tenha calma.

– Fiquei com dor na coluna após a cirurgia…

Isto  acontece  principalmente  em pacientes  que tinham  um  quadril  mais  rígido  antes  da  cirurgia,

chamamos  de  lombalgia  adaptativa,  sua  coluna  tem de se “acostumar” ao novo quadril. Normalmente é

de  baixa  intensidade  e  regride  espontaneamente  em cerca de quatro a seis meses. Avise seu cirurgião.

– Sinto minha perna operada mais comprida!

 Aqui temos um ponto importante, o principal objetivo de sua cirurgia é tratar sua dor e devolver o

movimento  ao  seu  quadril.  Consideramos  a equalização do comprimento um objetivo secundário,

que  por  diversos  motivos  pode  não  ser  sempre alcançado.  Além  disso,  a  maioria  das  pessoas  tem

discrepância de membros inferiores e passam a vida sem nem mesmo perceberem isto.

 Outra  questão:

 algumas  doenças  do  quadril causam  gradualmente  encurtamento  do  membro operado  e  contraturas  que  levam  anos  para  se estabelecer.  Em  poucas  horas,  seu  quadril  volta  ao comprimento  inicial.  É  natural  que  pareça  longo. Esta  sensação  deve  desaparecer  após  algumas semanas.

–  em  outras  situações  deliberadamente alongamos  seu  membro  inferior  para  conseguirmos

maior  desempenho  dos  músculos  ao  redor  da articulação e maior estabilidade da prótese.

– Estou tendo febre…

Atenção! Esta pode ser uma manifestação do início  de  uma  infecção.  Procure  seu  cirurgião

imediatamente!  Em  algumas  situações  a  elevação  de temperatura  pode  ser  apenas  fisiológica,  devido  à reabsorção  do  hematoma  (sangue  coletado  no  local da  cirurgia),  mas  a  avaliação  do  seu  médico  é

altamente recomendada.

– Estou fraco e sem apetite…

 Você  está  passando  por  uma  fase  de  grande consumo  energético  (para  cicatrizar  sua  ferida),  é

importante manter sua rotina alimentar e “forçar-se”a  comer  mesmo  sem  apetite  para  suprir  as

necessidades energéticas da sua recuperação.

– Posso comer qualquer alimento?

Existem alguns mitos em relação ao consumo de carnes específicas após cirurgias ortopédicas, não

há nenhum tipo de contra-indicação, procure manter uma dieta saudável e variada e evite ganhar peso.

– Há necessidade de me preocupar com a osteoporose?

Se você fez sua prótese devido a uma fratura do  quadril  definitivamente:  SIM.  É  consenso

atualmente que indivíduos portadores de fraturas de baixa  energia  (por  trauma  banal)  típicas  da

osteoporose  como:  punho,  coluna  e  quadril  devem ser medicados para prevenção de novas fraturas.

 Se você fez sua prótese por artrose ou outro problema médico: TALVEZ. Se for necessário você

deve  fazer  outro  exame  específico  para  detecção  de osteoporose

15. O QUE LEVAR AO HOSPITAL?

1.Par  de  chinelos  com  solado  antiderrapante  e pijamas confortáveis e largos. Andador ou muletas de

acordo com instruções do seu cirurgião.

2. Documentação  fornecida  pela secretária do  seu  cirurgião(consentimento  assinado  para  tratamento,  guia  para internação, avaliação pré-anestésica, etc.).

3.Documentos pessoais e cartão de convênio.

4. Exames  de  imagem  em  geral,  exames  préoperatórios (sangue, eletrocardiograma, rx, etc.).

5. Lista  com  sua  medicação  de  uso  contínuo  com doses e posologia detalhada.

6.Se desejar: revistas, jornais etc.

7*Evite levar jóias e valores. Evite levar alimentos.

16. COMO PREPARAR MINHA CASA?

 RETIRE TODOS TAPETES POSSÍVEIS,  fios  que  atravessam seu caminho, objetos baixos que você possa tropeçar ,etc.

Cadeira de rodas para banho, barras para apoiar, cadeira alta para  chuveiro,  assento  sanitário  elevado.  Nunca tranque  o  banheiro,  pois  em  caso  de  queda  alguém pode socorrê-lo com maior facilidade.

Facilite seu acesso ao telefone, mantenha o cartão de seu cirurgião à mão.

Boa iluminação, acesso facilitado. Se você dorme em andar superior, prepare uma cama no andar de baixo.

17.Mais informações

http://www.casasegura.arq.br/

www.sbquadril.org.br

tel: 983 084 849 Dr. Fabiano Cunha;     3887-5123 no Instituto do Atleta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp