O tratamento da contratura muscular para Cervicalgia, cefaleia tensional, dores de coluna lombar

Autor: Dr Fabiano Cunha

A dor no pescoço que espalha para os ombros pode ser causada por inflamação dos músculos ou problemas de hérnia de disco. Conheça aqui os novos tratamentos para ficar livre destas dores

Os Músculos que passam pelo pescoço são:

1.Trapézio: Causa  Sintoma de dor na parte horizontal do pescoço, rigidez para movimentar a nuca, muito relacionado com stress ou movimento repentino(acidente de automóvel). É comum termos clientes que submetidos a um episódio estressante ( emocional, profissional) venha ao PA com queixa de pescoço duro ou ombros pesados.

2. Rombóides: Se apresenta com dor nas costas, abaixo do ombro, próximo da coluna dorsal, muitas vezes irradiada para o corpo daescápula ou no meio das costas. O cliente pode relatar falta de ar ou dificuldade de inspirar completamente.

3. Elevadores da escapula: : causam  a postura característica de torcicolo, com a cabeça inclinada, dor vertical saindo do ombro para a cabeça, muitas vezes com restrição de movimento de rotação, muito comum na cefaléia tensional.
Nas dores de coluna lombar, os músculos envolvidos são:

4. Quadrado lombar e 2. Paravertebrais, causando a apresentação de dor lombar horizontal, partindo do centro da coluna para as laterais, sobre a crista ilíaca. Quando há dor irradiada para nádegas ainda pode haver comprometimento dos glúteos, ainda de aspecto muscular, mas quando atinge a coxa  há associação de ciatalgia, que não faz parte desta discussão.


Tanto as cervicalgias como as lombalgias tem origens multifatoriais, mas sempre tem 3 pilares:
 1)  Um estímulo externo (má postura, carregar peso, acidente)
 2) Um desequilibrio/fraqueza muscular (escoliose, obesidade, abdome fraco)
 3)Uma resposta exagerada do sistema nervoso:  causando o travamento da coluna, cervical ou lombar (o estimulo neurológico para a contração muscular tem objetivo protetor ( enquanto o musculo está contraturado a coluna/medula espinal não sofre risco de  “quebrar”).


Estes três  pilares sempre estão presentes, com influencia diferente, mas causando sempre esta reação de travamento muscular, com pouca característica inflamatória, mas sim um acúmulo de metabolismo anaeróbico e tetania em casos mais crônicos. Examinando o cliente é possível notar saliências dos grupos musculares contraturados, pontos gatilho de dor e às vezes diferença no tipo de dor, conforme descrito acima.


O tratamento das cervicalgias e lombalgias é baseado em algumas etapas:
1) Tirar o cliente da crise de dor (medicamentos relaxantes e analgésicos);
2) Reabilitar musculatura (ondas de choque tipo Swiss Dolorclast);
3) Retornar para atividade física.


O tratamento medicamentoso com relaxante e analgésicos

O  clonixinato de lisina(CL) é um anti inflamatório não esteroide (AINE) e há estudos mostrando sua eficácia em cefaléias de vários tipos, inclusive cefaléias tensionais. O grande potencial analgésico mostrou boa melhora nas dores musculares da cintura escapular e lombar, principalmente se associado com ciclobenzaprina.

O CL tem boa ação em enxaquecas e analgésico por uma via de ação central, uma vez que o seu efeito analgésico é parcialmente revertido pela naloxona , um antagonista das acções de morfina e de outros opiáceos. Não é bem conhecido mecanismo pelo qual clonixinato lisina age crises de enxaqueca e cefaléia tensional,  mas não são mediados através dainteração direta com locais de ligação de opiáceos , uma vez que a ligação a estes receptores em ensaios em animais o CL não inibe a ligação específica de
mu, delta e kappa. Por conseguinte, os efeitos centrais dos NSAIDs pode envolver a interacção com osistema receptor opióide através de mecanismos indiretos.

O uso isolado do CL ou de outro antiinflamatório tem valor quando há algum trauma ou estímulo externo evidente, como um acidente ou uma contusão local (queda de moto, por exemplo),  uma artrose da coluna cervical, movimento brusco do pescoço, etc. Nos casos mais comuns onde o paciente não identifica o causador (“a dor começou do nada”) o uso isolado do AINE vai ter pouco resultado, pois a fisiotatologia mostra que o fenomeno é mais uma contratura muscular do que um processo inflamatório local. A experiência do pronto socorro permite afirmar que muitas vezes a cervicalgia/ lombalgia tem genese mista (inflamatória/muscular), com participação variável ao longo do dia da inflamação/travamento muscular. Assim sendo, o médico estará atingindo uma maior chance de resultado se associar dois componentes (miorelaxante e AINE) com doses efetivas, pois com uma ingestão os efeitos aditivos das duas substancias vão proporcionar alivio das dores, sem os problemas de ajustar dose, esquecer de tomar o remédio, etc.  

Ondas de Choque

É um tipo de tratamento com a mesma máquina que quebra pedra de rim, a litotripsia. Neste tratamento um equipamento chamado swiss dolorclast aplica pequenas pancadas no local da dor, como se fosse uma massagem profunda, mas com grande resultado, permitindo um relaxamento da musculatura inflamada e travada

Experiência Pessoal

Grande parte de meu trabalho é realizado no atendimento de pronto socorro, onde nos ultimos 12 anos  pelo menos 60% dos clientes que atendemos apresentava queixas de dor muscular, na coluna cervical, lombar ou cefaléia tensional. O uso corriqueiro de antiinflamatórios não é capaz de tratar estas patologias e geralmente as crises duram 3-7 dias, tendo o cliente passado por pelo menos outro serviço, onde recebeu uma receita de AINE. Apesar de talvez a condição de atendimento não ser adequada em alguns serviços, isto gera um grande aumento de “clientes itinerantes”, que vagam pelos PAs  até conseguir receber um tratamento adequado para conseguir sair da crise de dor. Com sintomas variáveis, às vezes atingindo mais do que um músculo ou com sintomas inespecíficos, é importante observar os critérios de gravidade:

Na cervicalgia: inicio de cervicobraquialgia, irradiação para novo território (inicialmente só  trapézio, piora para  rombóide ou elevador da escápula).

Na lombalgia: inicio de ciatalgia ou acometimento ascendente dos paravertebrais, afetando coluna dorsal ou gerando posição antélgica.

Posso assegurar que o correto diagnóstico e a abordagem multimodal ( AINE, Analgesico, Relaxante muscular, Corticódes ou opióides) no grau certo, segundo preconizado pela escada analgésica da OMS, vai promover uma melhora nos sintomas deste(a) cliente, propiciando um feedback para voce e para a instituição.

A escolha da ciclobenzaprina se dá por ser medicação com larga experiencia e dominarmos os efeitos colaterais, ser fácil de aumentar a dose se necessário, com efeito rápido e bem tolerado pelo cliente. O clonixinato de lisina é util quando se quer proporcionar uma boa  ação analgésica, com efeito antiinflamatório leve, com boa tolerabilidade gastro intestinal.

O uso da associação ciclobenzaprina 5mg e o clonixinato de lisina 125mg já me acompanha há mais de 5 anos, onde observo alivio das dores e principalmente da hiperreatividade muscular que tanto atrapalha a evolução desta patologia e tenho relatos de clientes que inclusive usam esporadicamente antes da fisioterapia, em dores noturas de origem muscular, com resultados interessantes e fundamentalmente, baixas doses de medicação.

Nas cefeléias tensionais a associação de ciclobenzaprina com clonixinato de lisina  tem mostrado bons resultados inclusive quando associado ou sobreposto a crises de enxaqueca, onde trabalghos mostram que poucos dias de tratamento promovem alivio dos sintomas.         

Conclusão

Por serem medicações seguras, a associação de ciclobenzaprina 5mg e o clonixinato de lisina 125mg  está bem indicada  para  diagnósticos de cervicalgia, cefaléia tensional e lombalgias, tanto para tirar o paciente da crise de dor como para evitar novas crises de durante as fisioterapias. A excelente tolerabilidade gastrintestinal do clonixinato de lisina, junto com o efeito miorelaxante da ciclobenzaprina 5 mg permite seu uso por até 15 dias, devendo se respeitar a tolerabilidade de cada paciente, onde a posologia de 8/8 horas pode ser ajustada, indo  de 1vez ao dia até 6/6 horas, até se obter o efeito desejado.

Bibliografia

1. Mesquita CT. Clonixinato de lisina no tratamento de enxaquecas. Rev Bras Med 1996;53:1128-1131.
2. Peloso PMJ, Gross A, Haines T, Trinh K, Goldsmith CH, Burnie SJ, Cervical Overview Group.
Medicinal and injection therapies for mechanical neck disorders. Cochrane Database of Systematic Reviews 2007
3. KRYMCHANTOWSKI, ABOUCH V.  and  BARBOSA, JACKELINE. Clonixinato de lisina injetável intravenoso para o tratamento agudo das enxaquecas:um estudo piloto aberto. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 1999, vol.57, n.3A, pp. 606-609. ISSN 0004-282X.
4. Ortí E, Coirini H, Pico JC.Site-specific effects of the nonsteroidal anti-inflammatory drug lysine clonixinate on rat brain opioid receptors. Pharmacology. 1999 Apr;58(4):190-9.
5. http://adolfoneda.com/clonixinato-de-lisina/
6. http://www.fibromialgia.com.br/novosite/index.php?modulo=medicos_outros_editais&id_mat=89

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print

Deixe um comentário

Categorias