Ortopedia

(11) 3050-5123

(11) 3887-5123

(11) 94010-7986

Slide background

Ortopedia

Autores: Dr. Carlos Andreoli, Dr Fabiano Cunha, Dr. Carlos Eduardo Marques, Dr. Benno Ejnisman, Dr. Moisés Cohen

Estamos em plena temporada 2013-2014, NBA, NBB, Campeonatos Europeus e várias notícias sobre lesões musculoesqueléticas no basquete estão sendo divulgadas. As equipes acabam perdendo atletas fundamentais, tais como Rose, Bryant, Leandrinho, Anderson, Greg Oden, e tantos outros, por períodos variados. Atualmente com o avanço no tratamento ortopédico, cirúrgico ou não, o retorno dos atletas à plena prática do basquete ocorre na maioria dos casos.

quais as lesoes mais comuns no basquete como foram tratadasGreg Oden

Revisamos de 1999-2013 todas as cirurgias ortopédicas realizadas em atletas de basquete até 40 anos, atendidos no CETE - Centro de Traumato-Ortopedia do Esporte –UNIFESP, Seleção Brasileira (2003-2010) e clínica privada. O estudo retrospectivo identificou 78 cirurgias, sendo que 78% sexo masculino e 22% sexo feminino, tempo médio de prática de 11 anos, 68% membro dominante. A idade média das lesões cirúrgicas foi de 20,5 anos (14-39 anos). Tempo médio de retorno ao esporte 4,5 meses ( 1- 8 meses).

Quanto à posição do atleta, as posições mais afetadas em ordem decrescente foram: posição 2(24%),  posição 5(24%), posição 4 (20%), posição 3 (18%) e posição 1 (16%).  Lesões sem contato (58%) e lesões traumáticas (42%) dos casos. A literatura demonstra que as lesões traumáticas agudas são comuns na articulação do tornozelo, seguida da mão e do joelho e nas lesões por sobrecarga, atraumáticas, afetam principalmente joelho e coluna.

O procedimento cirúrgico na articulação do joelho foi a mais realizada (40%), sendo 60% reconstrução do ligamento cruzado anterior joelho, seguida da lesão meniscal 30% e da tendinite patelar com 10%,as principais afecções operadas. A segunda articul4 ção mais operada foi a articulação do tornozelo e pé (25%), sendo as afecções mais submetidas a cirurgia:s: a  lesão ligamentar do tornozelo(45%), seguida da fratura do 5º metatarso (25%) e lesão do tendão do tendão de Aquiles (25%).

A articulação do joelho apresenta maior morbidade ( maior período de afastamento e casos cirúrgicos), principalmente na lesão do cruzado anterior, sem contato. Atualmente duas técnicas são utilizadas para reconstrução do ligamento com enxerto do tendão patelar ou do semitendíneo e grácil, com resultados semelhantes.  O retorno ao esporte devido à lesão do LCA ocorreu em torno de 6 meses.

Principais procedimentos cirúrgicos:
1-    Lesão do Ligamento cruzado anterior : 80% das lesões sem contato: Cirurgia mais comum nas atletas do sexo feminino.
2-    Fratura do 5º metatarso pé: fixação com um parafuso: retorno em 4 meses. Cirurgia evolui melhor que tratamento conservador.
3-    Lesão ligamentar do tornozelo: principalmente atletas posição 4 e 5, com lesões de repetição.
4-    Luxação de Ombro: mecanismo traumático: 75% nas luxações de repetição.
5-    Hérnia Discal Lombar: atletas da posição 1 e 5. Ressecção da hérnia.
6-    Fratura de punho e metacarpo:  posição 1 e 2, choque contra oponente.
7-    A lesão tendão de Aquiles ocorre principalmente, em atletas com dor prévia e na 3ª década de idade.

Apesar de ser a lesão mais comum, o entorse de tornozelo, 94% evoluem bem sem cirurgia, com tratamento conservador, nas lesões repetitivas, o melhor é o procedimento cirúrgico.Nos membros superiores as lesões no ombro, luxação glenoumeral e luxação acrômio-clavicular são as mais comuns, no punho e mão , a cirurgia para as fraturas dos metacarpos são as mais realizadas.

Como podemos transformar estes dados para tentar evitar as lesões no basquete ?
1-    O incremento da preparação física, com periodização seguida exaustivamente.
Ênfase no condicionamento físico.
2-    Exercícios de prevenção, propriocepção e fortalecimento muscular,  principalmente glúteos e membros inferiores. Nas mulheres é imprescindível, a maioria das lesões no joelho ocorre sem contato, atraumática.
3-    Treinos com pausas para hidratação e programação definida.
4-    Ajuste do calendário (Bom Senso B.C.) e rodízio dos jogadores.
5-    Fatores externos também podem influenciar: quadras inadequadas e escorregadias, tênis inadequados e ausência da proteção de tornozelo, principalmente em atletas com lesão prévia.

O estudo demonstrou que os atletas com lesões ortopédicas submetidos à cirurgia conseguem retomar a carreira. Muitos destes atletas jogaram e permanecem jogando até hoje: Adair, Alex Garcia, Devidisson, Diogo, Fúlvio, Karen, Luana, Lucas Cipolini, Lucas Costa, Lucas Tishcer, Marcel, Nádia, Rafael Baby, Renato Lamas, Pedro, Paulo, Tamara, Tiago, Waltão.

Autores: Carlos Vicente Andreoli, Fabiano Cunha, Carlos Eduardo Marques, Benno Ejnisman, Moisés Cohen

Atendimento

(11) 3050-5123 / (11) 3887-5123

(11) 94010-7988

(11) 94010-7988 (WhatsApp)

Atendimento

(11) 3050-5123

(11) 3887-5123

(11) 94010-7988

Fale conosco

Queremos ouvir suas críticas e sugestões

Redes sociais

facebook2instagram2

INA - Instituto do Atleta

Rua Bento de Andrade, 252
Jd. Paulista - São Paulo, SP
CEP: 04503-001

(11) 3050-5123 / 3887-5123
(11) 94010-7988
(11) 94010-7988 (WhatsApp)

Responsável Técnico

Dr. Carlos Andreoli
CRM: 79.968
- Ortopedia
- Especialista em ombro e cotovelo
- Especialista em joelho
- Medicina esportiva