Ortopedia

(11) 3050-5123

(11) 3887-5123

(11) 94010-7986

Slide background

Ortopedia

Autor: Dr Carlos Vicente Andreoli

O basquete nos últimos anos, se tornou mais veloz, intenso e cada vez mais físico. O aumento da sobrecarga da atividade física ocasionou um aumento no número de lesões e, em especial, as lesões localizadas nos joelhos, segundo a literatura ortopédica. Starkey et al, demonstraram, por meio de um estudo com atletas da NBA por 10 anos, que o joelho é o segmento anatômico que responde pelo segundo lugar no número total de lesões (perdendo apenas para os tornozelos) e o principal responsável pelo afastamento dos atletas de treinos ou partidas.

As lesões do Ligamento Cruzado Anterior (LCA) são extremamente freqüentes na população desportista e acomete principalmente esportes que envolvam contato, desacelerações, mudanças de direção, saltos e aterrissagens. O basquete atende à todos esses quesitos e é um dos maiores responsáveis pela lesão do LCA em nosso país, perdendo apenas para o futebol. Estima-se que ocorram mais de 50 mil lesões de LCA por ano no mundo. Em nosso banco de dados, incluindo as seleções brasileiras, de base e adulta, masculina e feminina, cerca de 10% dos atletas da seleção masculina e 18% da feminina, já sofreram esta lesão.

O Ligamento Cruzado Anterior (LCA) é um ligamento denso, localizado no centro do joelho, que liga a superfície medial do côndilo femoral lateral, à porção ântero-medial da tíbia. Tem papel fundamental na estabilidade articular do joelho, tendo como função primária, estabilizar a articulação.

 

Anatomia do ligamento cruzado anterior do joelho

As lesões do LCA em geral são desencadeadas por um entorse do joelho, de origem traumática (desencadeada por um choque com outro atleta) ou atraumática (atleta torce sozinho, sem que haja uma força externa desencadeante), o último ocorrendo nas fases de desaceleração e aterrissagem de um salto. Os entorse de origem atraumática são comuns principalmente no sexo feminino. No momento do entorse o joelho se encontra próximo da extensão e ocorre uma força em valgo, acompanhada de uma rotação externa da perna. O atleta sente um estalo e forte dor imediata, acompanhada de grande edema no joelho e incapacidade até de pisar com o membro acometido. O diagnóstico é feito pela combinação da história do trauma, exame clínico demonstrando instabilidade articular e exames complementares ( Ressonância Magnética)

Ressonância magnética do joelho com LCA normal e com ruptura

Muitas pesquisas sobre os fatores que levariam o atleta a desenvolver tal lesão tem sido publicado. Além dos fatores extrínsecos como o tipo de esporte, tipo de quadra, calçado, foram identificados fatores intrínsecos que tornam o indivíduo mais suscetível a uma lesão do LCA. Sabe-se que as mulheres, quando expostas a mesma freqüência de treinamentos e jogos, tem uma chance 4 a 8 vezes maior de sofrerem uma ruptura de LCA que os homens. Essa maior predisposição é atribuída a um conjunto de alterações anatômicas, hormonais e biomecânicas, características do sexo feminino.  Sabe-se também que as mulheres tendem a sofrer a lesão em uma idade mais precoce que os homens.

Com a identificação dos possíveis atletas em risco, grandes esforços vêm sendo feitos para prevenir a lesão. Atualmente, uma série de estudos provou que o treinamento preventivo, constituído de exercícios de flexibilidade, fortalecimento, pliométricos e de propriocepção, são capazes de diminuir em até 70% a chance de ocorrer uma lesão. Esse parece ser o novo caminho a ser seguido dentro da Medicina Esportiva.

O tratamento da lesão completa do LCA é de indicação cirúrgica, sendo realizado por meio da implementação de um tecido que substitui o ligamento rompido. Os tecidos mais utilizados para substituição são o 1/3 central do tendão patelar  e os tendões flexores da pata de ganso (Semitendíneo e Grácil).

lesoes do ligamento cruzado anterior do joelho no basquete03

Cirurgia de reconstrução do LCA

As lesões do cruzado anterior são consideradas lesões graves que trazem grandes repercussões físicas, mentais e financeiras para o atleta acometido. Basta dizer, que o atleta tem de passar por um tratamento cirúrgico, com reabilitação obrigatória e fundamental por 5 a 8 meses e o retorno as competições 6 a 8 meses.

Autor:
Dr Carlos Vicente Andreoli
- Diretor Médico da CBB
- Chefe da Disciplina de Medicina Esportiva da UNIFESP
- Diretor do Instituto do Atleta
www.doutorandreoli.com.br

Atendimento

(11) 3050-5123 / (11) 3887-5123

(11) 94010-7988

(11) 94010-7988 (WhatsApp)

Atendimento

(11) 3050-5123

(11) 3887-5123

(11) 94010-7988

Fale conosco

Queremos ouvir suas críticas e sugestões

Redes sociais

facebook2instagram2

INA - Instituto do Atleta

Rua Bento de Andrade, 252
Jd. Paulista - São Paulo, SP
CEP: 04503-001

(11) 3050-5123 / 3887-5123
(11) 94010-7988
(11) 94010-7988 (WhatsApp)

Horário de atendimento
Segunda a sexta - das 7h às 21h

Responsável Técnico

Dr. Fabiano Cunha
CRM: 87.103
- Ortopedia
- Especialista em ombro e joelho
- Ondas de choque